quarta-feira, 5 de janeiro de 2011


Retrato de uma embriaguês chamada poesia




poema
              janela velha
aberta
                 atemporal


desejo &
                singro verbos

poema reescrevo
                  ponte metálica
ao pôr-do-sol
                    ao vento
olhar negro
                  centrípeta
centri
fuga(z)

vadia noite de Iracema.






José Leite Netto

Blog > http://leiturasjoseleitenetto.blogspot.com/

3 comentários:

Paty Lopes disse...

Poema de causa e efeito. o poder etílico dele emana e dá até pra sentir uma doce nostalgia, ou alegria contida...
o vai e vem, como as ondas.

Um brinde a todos os ébrios!!
(num eh comparando, mas esse eh o Wisky Bar numa versão menos musical)

No meu vocabulário isso eh Foda...

josé leite netto disse...

Legal, como havia te falado. Eu encontrei estes versos e outros numa caixa. Nem lembrava dele.

Paty Lopes disse...

Ta foda muito foda, meu querido!