quinta-feira, 2 de dezembro de 2010


centauro de areia



No abraço do tempo
o metamórfico
centauro de areia cruza o mar

na messe dos teus olhos
há rumores de cão e gato

metade é meu mundo de som e silêncio,
não os de Ovídio. trôpego centauro
nada a temer
cidade vazia, labirinto secular
dedo na cara, asas de mosca
poeira, pó,
                                                                                       E S T R A
                                                                                                   D
                                                                                                   A









José Leite Netto

Um comentário:

Paty Lopes disse...

colossal
...
de um mistério e de uma profundeza.
talvez somente as "coisas" que dançam e se esvaem com sutileza decifrem esse mistéio/enigma.

Tu tens duas almas
possas crer!